Vinícius Eutrópio tem difíceis missões no retorno à Chapecoense

Não há tempo a perder e Vinícius Eutrópio sabe disso. Com a necessidade de reação na Série A do Campeonato Brasileiro batendo à porta, o treinador mal chegou e já arregaçou as mangas para iniciar o trabalho na Chapecoense nesta quinta-feira. A apresentação oficial será somente nesta sexta, mas o ¿cartão de visitas¿ tem de ser mostrado no domingo, às 11h, dentro de campo.

Preferencialmente, com a vitória sobre o Atlético-PR na Arena Condá. O Verdão, que já foi líder da Série A, agora tem só três pontos de vantagem para quem está na zona de rebaixamento. Mas nem tudo está perdido, pois a diferença para quem vai à Libertadores é de apenas dois. O que é necessário mesmo é dar um fim à má fase que derrubou Vagner Mancini. Nos últimos sete jogos pelo Brasileirão, o time conseguiu apenas uma vitória e um empate.

As missões de Eutrópio à frente do verdão

Mesmo que tenha acertado com a Chape como o plano B – o preferido da direção era Enderson Moreira, que quis continuar no América-MG –, Vinícius Eutrópio chega ao clube carregado de responsabilidades. Uma delas é ajustar o sistema defensivo do Verdão.

Na Série A, a Chape foi saco de pancadas de Grêmio e de Flamengo, que atropelaram a equipe. Já são 22 gols sofridos em apenas 11 jogos – média de dois por partida. O ideal é diminuir esse índice. No seu último trabalho, no Santa Cruz, o treinador foi demitido após 32 partidas, em que viu sua defesa ser vazada apenas 30 vezes – menos de uma por duelo.

A segunda tarefa do novo comandante será olhar com mais carinho para os jogadores oriundos da base do Verdão. Será preciso encontrar espaço para eles na equipe, buscando opções para o time dentro de casa. O histórico joga a favor de Eutrópio. Em 2015, na Chapecoense, foi ele quem abriu os caminhos para que o jovem Hyoran – hoje no Palmeiras – tivesse ainda mais oportunidades no time profissional do Verdão. Embora tivesse entrado em alguns jogos de 2014, foi com o treinador que ele se firmou na equipe de cima.

O último obstáculo do comandante será ganhar a confiança das arquibancadas, pois ele é apontado como culpado pelo time não ter conquistado o Catarinense de 2015. Como um bom mineiro, terá que mostrar resultados dentro de campo e ir comendo pelas beiradas para ficar novamente de bem com o torcedor.

Assim como há missões que envolvem o futuro da Chapecoense, Vinícius Eutrópio tem um objetivo pessoal nesta oportunidade à frente da equipe do Oeste: mostrar que é um técnico de Série A. Os últimos trabalhos do profissional nos clubes de Santa Catarina não chegaram até o fim da temporada. No Figueirense, no ano passado, ele foi demitido após a 14ª rodada do campeonato nacional, quando perdeu para o Grêmio por 2 a 1, deixando o time na zona de rebaixamento. Em 2015, na Chape fez um bom início no Brasileirão, mas os resultados no returno causaram sua demissão.

 

Fonte: DC


Envie pelo WhatsApp a palavra 'Sim' para (49) 98824-6292 e receba as principais notícias da região.