Namorado de jovem de 21 anos morta em Abelardo Luz diz que tiro foi acidental

A Polícia Civil de Abelardo Luz ouviu nesta segunda-feira (11) o namorado de Larissa Silva dos Santos, morta com um tiro na última quinta-feira (7). Conforme o delegado Tiago Andrade Krejci, o companheiro dela informou que o disparo foi acidental. No entanto, Larissa já havia registrado boletim de ocorrência contra ele por ameaça de morte. Não há previsão para a conclusão do inquérito. Ninguém foi preso.

Larissa foi atingida no nariz por um tiro e morreu dentro de casa, no bairro linha Rincão Torcido. A PM foi acionada às 16h de quinta. Segundo a Polícia Civil, quem prestou socorro à garota de 21 anos foi o pai do suspeito, que morava na casa vizinha ao casal. A filha de 3 anos estava na residência no momento dos disparos. O suspeito de 20 anos não foi encontrado no local.

Segundo o suspeito contou ao delegado, ocorreram dois disparos dentro da casa. Larissa teria achado a arma do companheiro e, por isso, ocorreu uma discussão. O primeiro tiro, na parede, foi feito pela própria vítima, segundo o jovem. Ela teria manuseado e disparado acidentalmente.

“Ele relata que, quando tirou a arma das mãos dela, foi para o sofá e a arma teria disparado acidentalmente, o segundo tiro feito. Ela foi atingida no corredor”, disse o delegado Krejci. Ele diz que a afirmação será confrontada com a balística.

“Se ele estava sentado no sofá e ela de pé, o tiro deveria vir de baixo para cima. A perícia dirá o ângulo do disparo, já que inicialmente, por ter atingido a face, a hipótese era que o tiro foi horizontal”, completa o delegado.

Suspeito foi liberado

Após prestar depoimento, o suspeito foi liberado. Ele não tinha passagens policiais. O pai do jovem contou a mesma versão. Conforme o delegado, serão ouvidas outras testemunhas para apontar se o homicídio foi culposo, quando não há intenção de matar, ou doloso. O suspeito também deve responder por porte ilegal de arma de fogo, que tinha a numeração raspada.

O delegado não soube precisar ao G1 a data do boletim de ocorrência ou se havia sido solicitada alguma medida protetiva à vitima, quando a ameaça foi denunciada.

Fonte: G1 SC


Envie pelo WhatsApp a palavra 'Sim' para (49) 98824-6292 e receba as principais notícias da região.