MPF denuncia quatro ex-deputados de SC por crime de peculato com passagens aéreas na Câmara

O Ministério Público Federal (MPF) do Distrito Federal ratificou nesta terça-feira denúncia criminal contra 72 ex-deputados federais por uso irregular de passagens aéreas da Câmara de Deputados em nome de terceiros. Entre eles estão quatro políticos catarinenses que atuavam na Câmara em 2008, quando o caso conhecido como “Farra das Passagens” foi revelado: Carlito Merss (PT), Gervásio Silva (PSDB), Djalma Berger (PMDB) e Ângela Amin (PP). Uma ação penal sobre o caso já tinha resultado na acusação contra 16 políticos do Estado em novembro do ano passado.

Juntos, os catarinenses teriam utilizado quase 600 passagens irregulares, gerando uma despesa de mais de R$ 400 mil. Os ex-parlamentares são acusados de crime de peculato, quando o agente utiliza dinheiro público em benefício próprio. Na tarde desta terça-feira, a reportagem tentou contato com os quatro políticos catarinenses denunciados, mas não obteve retorno.

Em nota publicada no seu site, o MPF/DF explicou que as justificativas das passagens foram avaliadas. Em muitos casos, o crime prescreveu por causa do tempo ou da idade avançada do político investigado. Mais de 13.877 bilhetes vinculados aos 72 ex-parlamentares foram analisados pela Procuradoria, totalizando R$ 8.369.967,69 em gastos para a Câmara.

A reportagem tentou contato na tarde de terça-feira com Ângela Amin e Carlito Merss, que não atenderam as ligações. O DC conversou com assessores e atendentes de sedes regionais dos partidos PMDB e PSDB para tentar contato com Djalma Berger e Gervasio Silva, respectivamente, que informaram não ter número de telefone dos políticos.

 

Fonte: DC


Envie pelo WhatsApp a palavra 'Sim' para (49) 98824-6292 e receba as principais notícias da região.