Ex-cortadora de cana fatura R$ 2,4 milhões com e-commerce de joias

A empreendedora mineira Sabrina Nunes, 31 anos, é o nome por trás da Francisca Joias, um e-commerce que faturou R$ 2,4 milhões em 2016 e que conta com 620 revendedoras espalhadas pelo Brasil. Antes de chegar aonde chegou, Sabrina começou com muito pouco. Chegou, inclusive, a trabalhar como cortadora de cana.

Nascida em Itinga, no norte de Minas Gerais, Sabrina se considera uma empreendedora desde cedo. Começou vendendo picolés na zona rural da cidade. “Nessas regiões mais afastadas, não havia energia elétrica. Por isso, sorvetes eram uma grande atração. Vendi muito nas missas”, diz.

Apesar da sacada empreendedora dos picolés, Sabrina afirma que Itinga não oferecia muitas oportunidades de carreira. Surgiu a oportunidade de trabalhar em um canavial de Maracaju (MS) – seu padrasto agenciava a mudança de trabalhadores de Itinga para a cidade.

A meta de Sabrina não era trabalhar nessa área. Ela começou a estudar serviço social., mas não conseguia arranjar emprego. Decidiu ir cortar cana.

A experiência durou cerca de um mês. Dos canaviais, conseguiu um emprego de secretária na mesma empresa. “O tempo que fiquei cortando cana foi difícil. Mas era o que eu tinha para fazer. Lá mesmo eu fiz contatos para conseguir me recolocar. Eu só agarrei a oportunidade, sem coitadismo.”

Há sete anos, já formada e trabalhando como secretária, outra mudança: Sabrina conseguiu uma bolsa para estudar engenharia no Rio de Janeiro. Resolveu sair do Mato Grosso do Sul.

No decorrer do curso, arranjou trabalho em um escritório. Até que, em janeiro de 2012, resolveu fazer alguma atividade para complementar a renda. “Comprei R$ 50 em matéria-prima, fiz bijuterias e comecei a vender meus produtos pela internet”, diz.

Nascia, ali, a Francisca Joias. Sabrina batizou a empresa em homenagem à sua avó. “É um nome que representa força, perseverança e afeto. Além disso, mostra de onde eu vim”, diz Sabrina.

A princípio, ela usava a plataforma Elo7, especializada em artesanato, joias e produtos criativos em geral. Tudo aquilo que ganhava era reinvestido. Assim, foi conseguindo vender mais e mais peças. Em agosto de 2012, decidiu criar uma loja virtual própria para a Francisca Joias.

Em 2016, com a crise econômica ganhando forças, Sabrina decidiu mudar um pouco o modelo de negócio da Francisca Joias: começou a trabalhar com revendedoras.

Atualmente, a empresa tem 620 pessoas revendendo seus produtos. Elas compram os itens que quiserem com 40% de desconto, recebem o pedido em casa e revendem as joias pelo mesmo preço do e-commerce. “Com o desconto, eu perco margem de lucro, mas aumento meu número de vendas. Além disso, dou chance a quem precisa trabalhar”, afirma Sabrina.

A Francisca Joias vende brincos, colares, pulseiras e anéis. O site também trabalha com óculos escuros. No total, o e-commerce tem cerca de 3 mil itens.

De acordo com Sabrina, o principal diferencial da marca é o atendimento. “Trabalhamos de forma humanizada. Acreditamos que as vendas são feitas de pessoas para pessoas, mesmo que a transação ocorra pela internet. Fazemos um atendimento mais leve e que traz confiança.”

Em 2016, a Francisca Joias faturou R$ 2,4 milhões. Para este ano, a meta é chegar a R$ 3 milhões.

Além do trabalho com a marca, a mineira tem um site próprio, em que dá dicas de empreendedorismo para mulheres. “Sei que posso ajudar muita gente a empreender, empoderar-se e acreditar que é possível mudar de vida”, diz Sabrina.

Fonte: PEGN


Envie pelo WhatsApp a palavra 'Sim' para (49) 98824-6292 e receba as principais notícias da região.